O que não fazer na hora de captar com Fundações e Cooperação Internacional

O cientista social e jornalista Fernando Rossetti ocupou cargos em diversas organizações da sociedade civil: foi co-fundador da Associação Cidade Escola Aprendiz, também foi secretário-geral do Grupo de Institutos, Fundações e Empresas (Gife), diretor-executivo do Greenpeace Brasil e chairman da Worldwide Initiatives for Grantmaker Support (Wings). Ele trouxe descontração para sua palestra “O que não fazer quando se está captando com Fundações ou com a Cooperação Internacional”, realizada na tarde de quarta, dia 06, no Festival ABCR.

Depois de apontar um contexto favorável sobre o aumento no volume de recursos internacionais, com tom jocoso, mas trazendo um conteúdo seríssimo, apresentou 11 pontos cruciais na hora de captar com esses financiadores. Mas, lembrou: “foi uma brincadeira, mas se colocados de foram positiva, serve como guia para captação”. São eles:

Pense apenas na proposta -” Pensar no seu próprio projeto ou organização sem considerar ou se alinhar com o posicionamento estratégico do potencial doador garante uma bola fora.”

Aja como se só existisse seu projeto ou organização – “acreditar que sozinho consegue-se mudar uma realidade por deixá-lo…sozinho”

Ser uma Jabuticaba – “quando a organização é tão diferente, que não sabe como se explicar. Nenhuma complexidade é intraduzível”.

Depender exclusivamente do financiamento que busca – “depender demais do financiamento vai te afastar do recurso”

1

Esquecer da transparência e não saber o que é accountability –  “Não ter bons relatórios, indicadores e números te deixará sem dinheiro”.

Desprezar a governança e descuide de seu conselho – “Ter conselhos fracos, apenas proforma, assustará potenciais financiadores.”

Só tenha objetivos de longo prazo e intangíveis – “Vender ações sem delimitar os passos que serão dados a cada momento e como se medirá a evolução periodicamente não convence um investidor”.

Pensar pequeno e apenas na sua comunidade – “vá além e pense como seu projeto pode gerar conhecimento”

Esquecer o financiador depois que o cheque foi depositado – “É importante a construção de confiança e cuidar do relacionamento com o doador que pode continuar doando”.

Considere o doador como um auditor –  “nossa comunicação tudo é sempre lindo, sem problema. Comunicar apenas boas notícias vai gerar no final uma má notícia e falta de confiança.”

Posso mandar amanhã? “Claro, mande quando quiser e nós avaliaremos também quando quisermos”

Rossetti, que hoje é sócio-diretor da empresa de consultoria GIP – Gestão de Interesse Público, ainda deu uma dica importante: o Foundation Maps (com dados a partir de  2006) levantamento criado pelo Foundation Center, associação de fundações no Estados Unidos, que apresenta quem financia, o destino dos recursos e quais são as áreas beneficiadas. “Hoje, é a principal ferramenta para explorar e olhar para o hemisfério norte e saber onde captar. É pago, e não é barato, mas para captar é preciso investir”, garantiu.

Fonte: Associação Brasileira de Captadores de Recursos 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: