Movimentos discutem futuro da Plataforma pela Reforma do Sistema Político

Depois de 10 anos da criação da Plataforma pela Reforma do Sistema Político, movimentos sociais se reuniram nos dias  27 e 28 de agosto, para discutir o futuro da entidade. O encontro está foi realizado em São Paulo, e deve analisar as propostas de reforma política recentemente aprovadas na Câmara dos Deputados, a chamada contrarreforma, e avaliar as duas grandes campanhas apoiadas pela Plataforma: Projeto de Lei Iniciativa Popular da Reforma Política e a realização de Plebiscito Constituinte.

reformapolitica
À Adital, José Antonio Moroni, do colegiado de gestão do Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), esclarece que o encontro é um momento para um balanço político da sociedade civil sobre o que foi aprovado ou rejeitado pela Câmara dos Deputados; qual foi o posicionamento das bancadas e partidos; e o que ainda pode ser feito de incidência, principalmente no Senado Federal. Moroni explica que o parlamento brasileiro manteve o sistema político “intacto” e resolveu apenas o que era considerado “incômodo”, como, por exemplo, o financiamento privado das campanhas políticas.

Ele enfatiza que os últimos meses foram de debate “restrito”, com o interesse de dar legalidade à inconstitucionalidade do financiamento privado. Que é “a razão para estarmos nessa crise política. Temos um parlamento que não representa a sociedade”.

Antes da criação da Plataforma, as discussões políticas eram dissociadas da participação popular, e aproximar esta agenda da sociedade foi uma das grandes contribuições da entidade ao longo dos seus 10 anos de trabalho. É o que avalia Moroni. “A Plataforma entendeu que esse debate dizia respeito sim à sociedade, construiu uma proposta com cinco eixos e se comprometeu a trabalhar por 10 anos, realizando debates e incidindo sobre o Parlamento”. Passada uma década de atuação, com apoio a duas grandes campanhas – Iniciativa Popular e Plebiscito Constituinte – Moroni defende que ainda é preciso criar outros espaços políticos para ampliar as discussões. Ele antecipa também que a Plataforma deve continuar as atividades em um novo formato.

Sobre as expectativas futuras dos projetos em análise no Senado, Moroni acredita que a Casa não é muito diferente da Câmara dos Deputados, onde também circula o interesse em derrotar o governo, o PT (Partido dos Trabalhadores) e os movimentos populares. Porém, ele diz que a possibilidade de manobra do presidente do Senado, Renan Calheiros (Partido do Movimento Democrático Brasileiro – PMDB – Alagoas), é bem menos “vergonhosa, antiética e ilegal” do que a que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB – Rio de Janeiro), utilizou para aprovar os projetos de seu interesse.

Diante desse contexto, Moroni revela que a Plataforma pressionará o Senado. “Deve ser um processo mais longo, mais tranquilo e demorado, o que permitirá uma incidência política maior”.

marcelosodre

A Comissão Especial da Reforma Política no Senado aprovou, na última terça-feira, 25, um Projeto de Lei para regulamentar o financiamento privado de campanha. A proposta limita a doação por empresa à quantia de R$ 10 milhões. Desta forma, cada partido poderá receber, no máximo, 25% da doação total da companhia, ou seja, R$ 2,5 milhões por pessoa jurídica.

Na visão de Moroni, a medida, no entanto, não terá grandes efeitos na prática, mantendo o sistema já existente. Segundo ele, se o Senado quisesse, de fato, limitar o financiamento, teria incluído a questão dos conglomerados. “Se tem um grupo que reúne 20 grandes empresas, cada uma poderá doar R$ 10 milhões, então continua a mesma coisa”, conclui.

Programação do encontro:

27 de agosto

9h – Abertura e apresentações.

9h30 – Análise das votações da reforma política na Câmara dos Deputados (o que foi aprovado, rejeitado, como as bancadas se comportaram) – Juliano Medeiros, assessor da bancada do PSOL [Partido Socialismo e Liberdade] na Câmara dos Deputados.

10h – Debate (reforma do sistema político eelementos da conjuntura: crise política, rearticulação de um campo de direita, mobilizações, respostas do campo democrático)

12h30 – Almoço

14h – Roda de conversa com avaliação das duas grandes campanhas (Iniciativa Popular e Plebiscito Constituinte) e as implicações para a Plataforma.

16h – Roda de conversa com apresentação e relatos sobre iniciativas:
– Radar da participação

– Iniciativa Popular pela democratização da comunicação (Intervozes)
– Apresentação dos resultados do seminário sobre a democratização do sistema de justiça (JusDh)

– Site da Plataforma

18h – Encerramento do dia

28 de agosto

9h – Resgate do dia anterior

10h – O futuro da Plataforma:

– Que avaliação fazemos dos 10 anos de existência da Plataforma?

– No que ajudamos na luta pela reforma do sistema político

– Quais foram os nossos limites e por quê?

– Depois de 10 anos e os diversos espaços criados ainda faz sentido existir a Plataforma?

– Se faz sentido continuar, com qual agenda, com quais prioridades, com qual formato?

12h30 – Almoço

14h – O que fazer? Que acordos construir? Com quem? Que agenda?

17h – Encerramento

Fonte: Adital

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: