Com a presença de mais de 2 mil militantes, Frente Brasil Popular é lançada em BH

Dezenas de organizações, com representações de 22 estados, organizam articulação em defesa de uma saída à esquerda para a crise.

Crédito: Lidyane Ponciano

A Frente Brasil Popular, articulação de movimentos populares e organizações políticas, foi lançada neste sábado (5), em Belo Horizonte, Minas Gerais. Reunidos na área externa da Assembleia Legislativa, mais de duas mil pessoas participaram da Conferência Nacional Popular. Segundo os organizadores, o objetivo da Frente é a defesa da democracia e a proposição de uma nova política econômica, voltada para os trabalhadores.

O ato político e cultural do lançamento da Frente Brasil Popular teve a presença de representantes de movimentos sociais, centrais sindicais, movimentos de negritude, LGBT e de mulheres, ao lado de lideranças políticas, parlamentares e intelectuais, que criticaram tanto o golpismo como a atual política econômica do governo. 21 estados, mais o Distrito Federal, enviaram delegações.

Proposta

Pela manhã, a Frente foi apresentada por João Pedro Stedile, da direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e Carina Vitral, presidenta da União Nacional dos Estudantes (UNE).

Carina afirmou que “uma saída que defenda a democracia e não retira direitos dos trabalhadores depende da unidade entre os movimentos sociais”.

“A gente acha que essa Frente pode reaglutinar os movimentos sociais para pautar uma agenda popular para o Brasil. A gente quer discutir os rumos do ajuste fiscal, pois não concordamos com um ajuste que aprofunda a recessão e retira dinheiro de programas sociais. A gente quer um ajuste que taxe os ricos”, disse.

Stedile relembrou que a criação significa uma novidade no cenário nacional, ao apontar uma agenda positiva, “já que, até esse momento, as mobilizações eram apenas de reação às ofensivas do capital”.

“A Frente Brasil Popular tem que articular as mais diferentes organizações para cumprir uma missão necessária nessa conjuntura de crise política e econômica: construir um programa da classe trabalhadora, com unidade entre nós, e um calendário de mobilização, na luta concreta das ruas”, apontou.

Crédito: Johann Arispe

Alternativa

Após dedicar a tarde a debates em grupo que envolveram todos os presentes – a partir de quatro eixos temáticos: defesa dos direitos dos trabalhadores; defesa da democracia e por outra política e econômica; soberania nacional e integração latino-americana, reformas estruturais e populares – a Conferência realizou um Ato Político representativo das organizações presentes.

O diplomata e intelectual Samuel Pinheiro Guimarães falou sobre o retrocesso na pauta de hoje do Congresso, como o caso das terceirizações. “Temos que pressionar o governo para que ele se torne um governo popular. Temos que cobrar daqueles que sonegam os impostos”, defendeu.

Já Raimundo Bonfim, da Coordenação dos Movimentos Populares (CMP), afirmou que a saída está na mobilização e organização popular: “Temos que chamar o povo brasileiro para encontrar solução para os seus problemas e para a falta de reformas estruturais em nosso país”, pontuou.

Roberto Amaral, que rompeu com o PSB quando o partido decidiu apoiar eleitoralmente Aécio Neves (PSDB-MG), ressaltou que a iniciativa da Frente partiu da articulação popular: “a sociedade civil tomou consciência da gravidade do momento. A história está apontando um novo caminho: a unidade popular nascida da sociedade, nascida dos meios sociais, nascida do movimento sindical. Pela primeira vez, temos uma frente que não foi idealizada da cúpula, por partidos, mas pela sociedade”.

Tarso Genro, ex-governador do Rio Grande do Sul, saudou o lançamento da Frente Popular como uma das grandes novidades da esquerda no país. “Temos que alertar a presidenta Dilma que vamos até o fim defendendo o seu mandato, mas é necessário que saiba que essa política econômica está nos levando para a recessão e o desemprego”, defendeu.

Inúmeros deputados estaduais e federais e líderes de partidos como PT, PCdoB, PCO estiveram presentes. Dois senadores também se pronunciaram no encontro a favor de mudanças nos rumos do governo: Roberto Requião (PMDB-PR) e Lindberg Farias (PT-RJ). “Quem vai impedir o golpe neste país são os movimentos sociais e populares organizados. Temos que nos posicionar claramente contra a Agenda Brasil do Renan Calheiros e do ministro (Joaquim) Levy”, afirmou o senador Lindberg Farias.

“Juntos estivemos ontem, quando garantimos 54 milhões de votos para a presidenta Dilma. Mas estamos aqui para dizer a ela que estamos organizando uma frente nacional, popular e democrática. Nacional e popular porque os rentistas não têm mais nada a ver com o povo brasileiro”, criticou o senador Roberto Requião. O paranaense pediu que Dilma modifique sua política econômica: “queremos a Dilma eleita, não a Dilma comanda pelos bancos e pelo Levy”.

Próximos passos

Foi lançado um manifesto da frente, que elenca os quatro eixos de atuação. Além disso, as organizações acertaram realizar um ato unificado no dia 3 de outubro, em todo o país. “Saímos daqui com uma data unificada para dizer para o povo brasileiro e para o mundo que nós, classe trabalhadora, vamos ocupar as ruas em defesa do nosso patrimônio nacional que é a Petrobras e da soberania nacional”, explicou Rosane Silva, secretária nacional da mulher trabalhadora da Central Única dos Trabalhadores (CUT).

Jovens protestam no Banco Central

Cerca de 200 militantes do Levante Popular da Juventude realizaram, na tarde de sábado (5) um ato político em frente à sede do Banco Central em Belo Horizonte. Com as palavras “Fora Levy, que os ricos paguem a conta de crise” os jovens tinham o objetivo de denunciar a atual política econômica, os cortes dos direitos dos trabalhadores e dos orçamentos de políticas sociais. Segundo Renan Santos, de Minas Gerais, “essa política penaliza os trabalhadores, com perda de direitos e perda de renda. E nenhuma penalização cai nas costas da elite que é, em última instância, a responsável pela crise”. Thiago Pará, da coordenação nacional do movimento, acrescenta que esse é o recado para a sociedade. “É preciso fazer muita luta para derrotar o ajuste fiscal e avançar nas reformas estruturais que a sociedade brasileira precisa”, diz.

Fonte: Brasil de Fato

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: