Encontro Nacional de Educadores da Reforma Agrária iniciará na próxima segunda

Cerca de 1.200 pessoas devem participar da atividade, que tem como objetivo propor a construção de um novo espaço de articulação para a formulação de um novo projeto educacional.

escola_terra.jpg
Na próxima segunda-feira (21), o MST dará início ao 2° Encontro Nacional de Educadoras e Educadores da Reforma Agrária (Enera), em Luziânia, no estado de Goiás.

Durante cinco dias, cerca de 1.200 participantes de todas as partes do Brasil, a maioria educadores do campo, se reunirão para debater o atual momento da educação pública brasileira.

Outro desafio apontado pelos organizadores é o papel que o Enera cumpre em propor a construção de um novo espaço de articulação entre os trabalhadores da educação, na disputa de uma educação pública e na formulação de um novo projeto de educação.

Nomes como Roberto Leher, novo reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Gaudêncio Frigotto, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Mônica Molina, da Universidade Federal de Brasília (UnB), e João Pedro Stedile, do MST, estarão presentes para contribuírem no debate.

Na avaliação de diversos setores da educação, o ensino brasileiro está cada vez mais submetido a uma lógica mercantilizada por grandes grupos financeiros, e os recentes processos de fusões entre grandes grupos educacionais, como Kroton e Anhanguera, e a criação de movimentos, como o Todos pela Educação, representariam a síntese deste processo.

Para Roberto Leher, a educação brasileira virou um grande balcão de negócios organizados pelos fundos de investimento, cuja racionalidade em que se organiza as universidade não é mais a educação, mas as finanças.

“Cinco fundos têm atualmente cerca de 40% das matrículas da educação superior brasileira, e três fundos têm quase 60% da educação à distância no Brasil”, destaca o professor, ao dizer que este “processo levou a Kroton e a Anhanguera – fundo Advent e Pátria – a constituírem a maior empresa educacional do mundo, um conglomerado que hoje já possui mais de 1,2 milhão de estudantes, mais do que todas as universidades federais juntas”.

Sob este panorama que Divina Lopes, do setor de educação do MST, afirma que um dos principais desafios do ENERA é denunciar a atual situação da educação pública do Brasil, e “propor a construção de um novo espaço de articulação entre os trabalhadores da educação para disputar a educação pública, e criar um novo projeto que garanta a formação dos sujeitos nas diferentes dimensões humanas, numa perspectiva libertadora e transformadora”.

Fonte: MST
Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: